Fique por dentro!

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

12 dicas para fazer uma viagem organizada



Viajar é a única coisa com a qual você gasta dinheiro, mas que mesmo assim lhe deixa mais rico. Esse ditado faz todo sentido e reflete o significado de uma experiência como essa. Mas você que está pensando em fazer uma viagem, talvez ache que não é tão fácil assim. Por isso, separamos 12 dicas incríveis que vão tornar esse processo mais simples para você desencanar e aproveitar!

Veja a seguir como viajar de forma organizada e sem dores de cabeça:

1.            A escolha do destino: Vale olhar na internet, em guias de viagem, procurar pessoas que já foram. É importante você ter, no mínimo, uma noção básica do local, como é a infraestrutura, os meios de locomoção, as hospedagens.

2.            Faça um itinerário: Ao escolher o destino, liste os pontos turísticos que você quer conhecer. Divida esses pontos nos dias que você estará na cidade/país, fazendo um itinerário mesmo, de preferência com o endereço completo de cada local.

3.            Se a viagem for internacional, vale a pena comprar um chip lá para fazer as ligações locais ou para usar a internet sem grandes problemas.

4.            Tenha sempre uma bolsinha estilo porta-dolar, mas para deixar por dentro da calça com passaporte, documentos e dinheiro. Assim você viaja mais tranquilo e seguro. Na BEX, todo cliente recebe um desses antes do embarque.

5.            Faça uma lista com pelo menos uma semana de antecedência com tudo que você precisa levar ou organizar antes da viagem. Vá riscando os itens conforme eles sejam resolvidos ou colocados na mala.
 

6.            Organize bem o seu orçamento. Primeiro, coloque na ponta do lápis qual o valor total que você pode/deseja gastar nessa experiência. Depois divida quanto vai para a passagem, hospedagem, passeios, compras. Isso evita surpresas desagradáveis, ninguém merece voltar de viagem com o cartão de crédito estourado!

7.            Se você for viajar para o exterior, converse com seu gerente bancário para habilitar uso internacional para o cartão de crédito, ou obter um novo cartão caso a primeira opção não seja possível. Mas sempre leve dinheiro em espécie também.

8.            Verifique se o local para onde você vai exige alguma vacina específica. Esse é um detalhe importante que muitas pessoas se esquecem de observar. O mesmo vale para o prazo de validade do passaporte e do visto.

9.            Arrume as malas com peças básicas e de cores neutras, que combinem entre si. Essa é a melhor maneira de não precisar levar um volume absurdo e, mesmo assim, conseguir se vestir para qualquer ocasião.

10.          Fique atento para as normas de segurança do aeroporto: elas dizem o que pode ou não ser levado e isso evita que você precise se desfazer de algum pertence.


11.          Para a viagem, escolha a roupa mais confortável possível, especialmente se for encarar um voo de várias horas.

12.          Conte com uma agência de turismo e intercâmbio especializada. A BEX tem mais de 25 anos de mercado e é credenciada da BELTA, associação que regulamenta agencia de intercâmbio no Brazil e tem . Parece clichê, mas faz toda a diferença ter uma equipe profissional para ajudar a organizar alguns detalhes da viagem. Além disso, são pessoas com experiência, que podem dar outras dicas para melhorar ainda mais o seu passeio.


 Desejando maiores informações sobre pacotes de intercâmbio? Acesse http://www.bex.tur.br

sexta-feira, 5 de janeiro de 2018

Entenda o sistema educacional na Austrália


A Austrália, situada na Oceania, é o sexto maior país do mundo, pois suas dimensões continentais, ultrapassam os 7 milhões de quilômetros quadrados. Com um Produto Interno Bruto (PIB) de US$ 1,205 trilhão e um IDH considerado muito elevado – numa escala de 0 a 1, o índice de desenvolvimento australiano chegou a 0,939 em 2016. Estes fatores fazem com que o país seja o destino de muitas pessoas que buscam uma melhor qualidade de vida.


O sistema de saúde (Medicare), cujo cuidado e instalações são de nível internacional, além da baixa criminalidade, contribuem para que o IDH do país seja elevado. Tudo isso faz com que a expectativa de vida do australiano, chegasse aos 91 anos para homens e 93 anos para as mulheres, no ano de 2015.

Quando se fala de educação, os resultados não são diferentes. A sua taxa de alfabetização chegou a mais de 99%, segundo dados de 2016, graças a um aporte do governo que destina cerca de 5% do PIB diretamente para a educação. Isso garante uma qualidade no ensino mesmo em escolas públicas, que, segundo Vitor Sant, brasileiro residente na Austrália, representa 99% dos alunos australianos ou estrangeiros.

A educação básica

Na Austrália, tudo começa com a pré-escola e depois o jardim de infância (também chamado de preparatório). Após essa etapa, o aluno ingressa no primário, secundário e finalmente o secundário sênior (equivalente ao ensino médio ou High School), que por lá chamam apenas de colégio. Todo esse tempo dura, até chegar à universidade, em média, 13 anos.


 Algumas características básicas de colégios australianos são: o limite de alunos em cada sala (máximo 30), aulas individuais para alunos que sintam algum tipo de necessidade, e o alto nível tecnológico, pois todas as escolas possuem computadores com acesso a internet. Além disso, com um programa chamado “Melhores resultados”, alunos que se destacam conseguem estudar matérias de nível universitário, adiantando créditos.

O nível superior

Como não existe o vestibular, outros pré-requisitos são utilizados na Austrália para permitir ou não a entrada de novos alunos. Para os australianos, após a conclusão do high school, os alunos são submetidos a exames e podem receber um certificado de qualificação, que é aceito por todas as universidades australianas e algumas internacionais.


No caso dos estrangeiros, pede-se que o aluno tenha cursado ao menos um ano de graduação (undergraduate) em alguma universidade reconhecida pela Austrália. Isso poderá ser substituído por um curso técnico australiano ou um preparatório para universidades, conhecido como Foundation Year. Outro requisito para estrangeiros é a fluência no inglês.

Para ingressar na pós-graduação, é necessário, como em qualquer outro local, ter finalizado os anos de universidade. Com isso, o aluno fará a pós-graduação (graduate), o que também engloba o Mestrado (Masters) e Doutorado (Doctorate). Após a conclusão dos cursos o aluno receberá um certificado de que possui o conhecimento necessário em determinada área.


O aluno ainda poderá escolher entre cursar uma modalidade conhecida como “double degree”, cujo propósito é que seja cursado duas graduações ao mesmo tempo; ou ainda o “concurrent programs”,  ou seja, um estudo complementar, como por exemplo matemática e educação fundamental. Assim, além do conhecimento no curso de exatas, saberá também como ensinar o que aprendeu.


Desejando maiores informações sobre pacotes de intercâmbio? Acesse http://www.bex.tur.br